7 desafios da gestão familiar de uma empresa familiar e como superá-los

No Brasil, muitas empresas de pequeno e médio porte, seguem estruturas familiares. De acordo com dados do ,  90% das organizações brasileiras possuem perfil familiar. Com isso, elas chegam a representar cerca de 65% do PIB e são responsáveis por empregar 65% dos trabalhadores no país.

Com o aumento do desemprego devido à pandemia, essa tendência se intensificou. Afinal, com tantos familiares parados em casa e sem um emprego fixo, por que não iniciar um negócio do zero? Esse, com certeza, é o pontapé inicial de muito negócio familiar.

Entretanto, como bem sabemos, no mundo dos negócios não basta ter apenas iniciativa e disposição, uma efetiva gestão é necessária, o sendo um grande desafio para muitos empreendimentos. No Brasil, muitas vezes a expressão “empresa familiar” é utilizada de forma pejorativa, sendo associada a algo bagunçado e sem regras.

Portanto, para ter sucesso nessa empreitada, é crucial conhecer os 7 desafios da gestão de uma empresa familiar e aprender como superá-los. Pensando nisso, preparamos este conteúdo com os principais pontos de atenção:

Centralização das decisões no fundadorSucessão e falta de capacidade dos herdeirosConflitos entre geraçõesRealizar novas contrataçõesAusência de diretrizesFalta de inovaçãoDificuldades no controle financeiro

Boa leitura!

7 desafios da gestão familiar de uma empresa familiar e como superá-los

Empresas familiares são companhias privadas, ccontrolada por uma família, assim permanecendo com o passar das gerações. Elas podem contar com diversos membros da mesma família, tanto na parte administrativa quanto como acionistas e membros da diretoria.

Para muitos empreendedores, esse tipo de negócio oferece muitos , no entanto, também conta com alguns desafios que precisam ser superados. Por isso, preparamos uma lista com os principais pontos de atenção que precisam ser considerados nesse modelo de negócio. Confira:

1. Centralização das decisões no fundador

Um dos principais desafios da gestão de uma empresa familiar é a centralização do poder na tomada de decisões em poucas mãos, se não em apenas uma. 

Isso coloca os negócios em risco, pois essa pessoa que detém todas as informações e conhecimentos não poderá se ausentar em nenhum momento. Além disso, todos os rumos que os negócios seguirão serão baseados em apenas uma opinião.

Portanto, é necessário iniciar uma mudança no comando para que as decisões importantes sejam compartilhadas. Ao ouvir a opinião de sócios e colaboradores, será possível tomar decisões mais inteligentes.

2. Sucessão e falta de capacidade dos herdeiros

Um costume nas empresas familiares é a sucessão de cargos para os filhos do chefe. Essa pessoa será a responsável por manter os bons resultados nos negócios e seguir o mesmo caminho dos pais. 

Entretanto, nem sempre os filhos querem seguir a mesma carreira que os pais, não é mesmo? Com isso, muitas pessoas chegam despreparadas no momento de assumir o cargo de fato.

Para contornar esse problema, é importante que o herdeiro esteja preparado para suceder seus pais,  sendo crucial investir em  continuada e estágios em outros locais, para ganhar experiência. 

E para os casos em que o herdeiro não tem interesse em assumir essa posição? É importante que sempre exista uma segunda opção na ordem de sucessão.

3. Conflitos entre gerações

Um desafio importante na gestão de empresa familiar que requer muita atenção, é a questão de conflitos entre . A medida que o tempo passa, membros de diferentes idades e gerações passam a fazer parte da empresa.

Esse encontro entre pessoas de épocas distintas, no dia a dia, pode gerar diversos . Na maioria das vezes, isso acontece porque as decisões tomadas pelos gestores mais velhos são consideradas ultrapassadas pelos mais novos. Enquanto isso, os mais antigos consideram os recém-chegados inexperientes. 

Resolver esse problema nem sempre é fácil, portanto, a empresa precisa ter muita clareza em seu plano de negócios. É necessário uma hierarquia bem organizada, assim, fica muito mais fácil coordenar essas discordâncias e aproveitar as oportunidades geradas por elas.

É importante levar em consideração também que contar novas ideias nunca é prejudicial. Dar abertura para os novos membros da família pode trazer  e mais resultados para os negócios.

4. Realizar novas contratações

Em empresas familiares, a realização do processo de  precisa ser bem planejado. Muitas vezes, a seleção realizada não é feita de forma correta e as verdadeiras competências da pessoa para o cargo não são avaliadas.

A falta de estratégia na contratação de colaboradores pode afetar o desempenho da empresa como um todo. Portanto, ainda que o candidato seja um parente, é preciso realizar uma avaliação completa.

Para conferir algumas dicas de como fazer recrutamento e seleção por competências, sugerimos a leitura  também.

5. Ausência de diretrizes

Empresas de gestão familiar costumam não ter diretrizes bem estabelecidas para curto, médio e longo prazo. Por isso, é necessário realizar um bom planejamento com um roteiro a ser seguido. Nele, devem constar todas as regras e etapas que precisarão ser cumpridas no negócio. Só assim o negócio conseguirá se manter de pé.

6. Falta de inovação

A  também está na lista dos principais desafios da gestão de uma empresa familiar. Isso acontece porque quando o poder está nas mãos de pessoas da mesma família, muitas decisões são tomadas levando a parte emocional em consideração, isso causa muita confusão de papéis e responsabilidades. 

Além disso, é comum vermos pouco planejamento, e um nível de cobrança por resultados muito pequeno. Esses fatores podem ser muito prejudiciais para a organização, resultando em baixo investimento, poucas inovações e estrutura de negócio ruim.

7. Dificuldades no controle financeiro

Não é raro que alguns familiares confundam o caixa da empresa como sua carteira pessoal. 

Essa prática pode comprometer todo o negócio, interferindo no  da empresa e afetando o trabalho de todos. Logo, é necessário que todos estejam cientes que o caixa da empresa não é um fundo pessoal ou individual. Os salários e as divisões de lucro devem ser separados do fluxo de caixa e do capital do negócio. 

Aprender a separar o relacionamento de empresa e familia é um grande desário na gestão de uma empresa familiar, mas sem esse entendimento, manter o negócio fica muito díficil. Esse modelo de empreendimento, assim como qualquer outro, pode ser bem-sucedido. Baste que haja um bom planejamento, além de conjunto de normas a serem seguidas.

Comentário do usuário